Rigor do Inverno…

Estava São Pedro muito bem sentado numa esplanada a beber o seu batido de frutas, quando de repente ouve

“Chefe!! Chefe!!”

De óculos de sol postos a saborear o sol que se fazia sentar pensa,

“O que foi agora….”

Olha para o seu subordinado e diz;

“Então o que foi que se passou para causar tanto alarido?”

Ao que lhe respondem;

“Temos problemas chefe, está demasiado calor na Europa e então em Portugal não se fala… Barragens quase sem água nenhuma, se não chove nos próximos tempos então temos desastre ambiental dos graves. As estações do ano andam trocadas a demasiado tempo, já falam que o ano só anda a ter duas estações, Primaverão e Outono. Inverno a muito que não se sente, temos de fazer alguma coisa e depressa senão estamos num lindo sarilho….

E após isto mostra a São Pedro um gráfico onde tudo apontava quase abaixo de 0…

Olhando para o grafico São Pedro estupefacto exclama;

“Oh Diabo! A coisa ta feia…”

E assim foi…

Dirigiu-se para a biblioteca e foi ver do Grande Livro dos registos do tempo…

 Foi ver dos últimos registos  e…

“Ok, definitivamente é preciso mandar agua lá para baixo…(já que a ultima vez que tinha havido chuva, já a muito estava esquecida a altura)”

Agarrando na sua pena, escreveu uma coisa mais ou menos assim:

“Então por minha mão assim dito; durante 3 meses irão vos mortais sentir o rigor do Inverno como a muito não se faz sentir! Irá haver chuva, neve, vento e frio…muito frio…”

E após esta “sentença”, o Grande Livro foi fechado e assim começou um Inverno como a muito não se sentia…

O que muitos não sabem é que após ditar o rigor do Inverno, o seu subordinado perguntou-lhe;

“Chefe, isso não será demasiado?”

Ao que São Pedro lhe responde;

“Não, já que era necessário por em dia as estações e pelo menos começa-se já por aqui… Desta vez levam o tempo dos Invernos passados que não ouve…

Pelo menos agua irão ter, já que é para ver se eles lá em baixo se calam com os problemas da seca na altura do Verão”

P.s- o texto escrito anteriormente é puramente ficção ou melhor é fruto de uma imaginação triste que já anda farta deste tempo de m*rd*.